Aquilo que a coligação Unidos pela Trofa não lhe contou: a origem do Correio da Trofa

PIC.png

Imagem@Blogue Otrazhenie

Faltavam cerca de seis meses para as Autárquicas de 2013 quando o Correio da Trofa viu a luz do dia. Estávamos em pré-campanha e os ânimos estavam já a exaltar-se ao ponto de, dois meses depois, termos assistido ao embuste protagonizado pela JSD Trofa que, após um conjunto de contradições que deitaram por terra a fraca argumentação produzida em torno da cena de pancadaria, que afinal se revelou uma emboscada, terminou numa humilhação em tribunal com um dos envolvidos do lado laranja a deitar por terra a versão da JSD Trofa.

O Correio da Trofa foi criado pela empresa de assessoria de imprensa Comunicatessem, pouco tempo depois de ter sido contratada pela coligação Unidos pela Trofa para dirigir a campanha que levou Sérgio Humberto ao poder. Os jornalistas e o director do Correio da Trofa eram, portanto, as mesmas pessoas que estavam por trás da comunicação da coligação. Contudo, nunca ninguém da coligação assumiu pública e abertamente que o Correio da Trofa era parte integrante da sua estratégia eleitoral, estando, por conseguinte, ao seu serviço. O motivo, claro está, é óbvio demais: era preciso levar os trofenses a acreditar que se tratava de um jornal independente que, apenas e só por coincidência, surgia no mesmo momento em que a campanha arrancou. Os trofenses foram deliberadamente enganados pela estratégia eleitoral da Unidos pela Trofa.

Mas se o facto, irrefutável, que confirma que as pessoas que faziam a campanha da coligação eram as mesmas que produziam o jornal é, por si só, revelador da real natureza do Correio da Trofa, outros factos ajudam a perceber o nível de promiscuidade entre as duas entidades. Durante a campanha eleitoral, a sede fiscal do Correio da Trofa, registada na ERC, era a mesma que a da empresa que fez a campanha da coligação e, vencidas as eleições, a sede de campanha da coligação Unidos pela Trofa, na Rua Camilo Castelo Branco, nº 352, passou a ser a sede da redacção do Correio da Trofa. A maneira como tudo isto se liga é de tal forma denunciada que chego a achar que nos tomam a todos por parvos. Talvez seja o caso.

Apresentados os factos que comprovam que o Correio da Trofa nasceu da estratégia por detrás da campanha eleitoral da coligação PSD/CDS-PP, que por sua vez demonstra que os trofenses foram manipulados de forma estudada e intencional, com vista à eleição do autarca trofense, e a isto poderia acrescentar todos aqueles que foram entrevistados ou que pagaram publicidade no jornal sem conhecer a sua real natureza, ficamos hoje por aqui, deixando a continuação desta história para Quarta-feira, data da publicação da segunda parte de uma sequência que não ficará por aí. Por agora,  ficamo-nos pela ponta do icebergue.

Advertisements

About João Mendes

After this, there is no turning back.
This entry was posted in Ajustes Directos, Democracia, Eleições Autárquicas 2013, Eleições Autárquicas 2017 and tagged , , , , . Bookmark the permalink.

3 Responses to Aquilo que a coligação Unidos pela Trofa não lhe contou: a origem do Correio da Trofa

  1. Pingback: Aquilo que a coligação Unidos pela Trofa não lhe contou: dinheiro público para colaboradores do Correio da Trofa | …e a Trofa é minha!

  2. Pingback: O Correio da Trofa hoje: coincidência ou ilegalidade? | …e a Trofa é minha!

  3. Pingback: Orgulho Trofense, ou o dia em que desmascarei uma fraude chamada Correio da Trofa | …e a Trofa é minha!

Deixa aqui o teu comentário...

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s