Uma vez mais envolto em secretismo, o ilusionista eleitoral está de volta

Variante

A 21 de Janeiro de 2014, escrevi neste espaço sobre a vinda de Passos Coelho à Trofa e sobre o secretismo que envolveu a sua visita ao nosso concelho. Na altura, a visita do primeiro-ministro revestiu-se de natureza partidária, apesar do consumo de recursos públicos. Um ano e uma semana mais tarde, descubro que Passos Coelho regressa à Trofa, mas desta vez na qualidade de primeiro-ministro em pré-campanha eleitoral. Vá lá que o S. Gonçalo já foi no fim-de-semana passado, não vá algum romeiro ser confundido com um terrorista.

O motivo, ao que tudo indica, prende-se desta vez com a apresentação do projecto da variante à Estrada Nacional 14. O secretismo, esse, manteve-se. Mas se há um ano atrás o silêncio das hostes sociais-democratas era mais compreensível, dada a natureza interna do acontecimento, desta vez, e por ser um tema de interesse público, não se compreende que nem uma palavra tenha sido dita nas redes sociais que este executivo, pela voz do nosso presidente, afirma ser meio privilegiado de comunicar com a população. Até porque, quero acreditar, qualquer trofense, enquanto houver espaço no auditório da AEBA, deve ter o direito de aceder à apresentação do projecto. Afinal de contas, somos todos cidadãos de pleno direito certo? Ou será que o silêncio sobre tão distinta visita será um novo convite à não-participação?

Estou expectante quanto ao que lá irá ser dito. Mais expectante ainda para verificar que estamos, finalmente, perante uma evidência e não perante outra jogada eleitoral do estilo do cartaz que o executivo liderado por Bernardino Vasconcelos espalhou em tempos pela Trofa onde se podia ler “Metro: Resolvido” ou mesmo da saudosa vinda de Ana Paula Vitorino à Trofa, também para nos dar conta da vinda do metro para o concelho, pela mão do governo liderado pelo agora preso nº44 do Estabelecimento Prisional de Évora. Ambos os teatros foram bem encenados, já o metro continua parado no concelho da Maia.

Que a Trofa e os concelhos vizinhos vêm lutando por esta realidade há já muitos anos não é novidade para ninguém. Que PS e PSD vêm bloqueando iniciativas parlamentares para fazer andar a obra, dependendo de qual deles se encontra no governo da nação também não. Mas se as notícias contraditórias, como aquela que deu conta, em Abril de 2014, que a UE não estava disposta a financiar a variante, ou aquela outra que, por altura da visita de Passos Coelho a Famalicão no passado mês de Outubro, citava um primeiro-ministro que afirmava já existir uma solução para o problema “que não é aquela que foi apresentada durante muitos anos como a solução final porque não há dinheiro para a realizar“, as dúvidas que se levantam são muitas. Que solução será afinal? Uma variante ou um remendo? Teremos que aguardar por Sábado. Estou esperançado que desta vez é que é e espero, acima de tudo, que o pedido do PCP seja atendido e que seja disponibilizada à população a devida calendarização da obra, seja ela qual for.

Anos de eleições, principalmente Legislativas, são sempre anos de fartura. Pelo menos no papel. Há festa rija, porcos no espeto e muita música popular no centro de cada cidade. Sempre com o alto patrocínio dos nossos impostos. Também se ouvem muitas promessas mas, como sabemos, e como Passos Coelho deixou claro em 2011, a maior parte delas, nomeadamente as que versam sobre descidas de impostos, criação de emprego ou melhorias nas valências do estado social, costumam cair em saco roto. Eles sabem que as podem usar e que as podem deixar cair sem que se faça com isso muito alarido. Esta no nosso ADN deixar passar, é a nossa tão doce mansidão. Com ou sem variante, Passos Coelho levará, com toda a certeza, uma boa quantidade de votos de volta para Lisboa. Afinal de contas, não é disso que se trata quando se anda em campanha?

Advertisements
This entry was posted in Trofa and tagged , , , , . Bookmark the permalink.

5 Responses to Uma vez mais envolto em secretismo, o ilusionista eleitoral está de volta

  1. Pingback: Quando o político nervoso pensa que está no estádio de futebol | …e a Trofa é minha!

  2. Anonymous says:

    O que o Sr. Primeiro Ministro, Pedro Passos Coelho, vem apresentar à Trofa, é o projeto da “Circular à Trofa”.

    Esse projeto encontra-se incluído no plano de investimentos da Estradas de Portugal para os anos compreendidos entre 2015 a 2020.

    Acedendo ao link:

    http://www.estradasdeportugal.pt/index.php/pt/phoca-download-/category/17-notcias?download=2409%3Aplano-de-investimentos-2015-2020

    podem, na página 13 desse documento, perceber do que se trata.

    No que à Trofa diz respeito, pela simples análise do exarado no documento e pelo traçado constante na imagem (linha verde) percebe-se o seguinte:
    – a circular da Trofa corresponde a uma nova estrada que vai ligar a parte sul da reta do Senhor dos Perdões (Ribeirão) e o cruzamento da Carriça (Muro);
    – a circular vai intercetar a estrada N14 no Senhor dos Perdões, vai passar tangente à Mabor/Continental e com uma nova travessia sobre o rio Ave, vem “desaguar” junto à zona do Hospital da Trofa;
    – já na Trofa essa “simples estrada” vai aproveitar vias já construídas;
    – utiliza a estrada frente ao Aquaplace e será construído um novo troço que ligará esta última à rotunda do “ciclo da Trofa”;
    – utiliza toda a avenida da Estação da Trofa (Av. 19 Novembro);
    – da rotunda de Paradela (Av. 19 Novembro) até ao cruzamento da Carriça, a estrada será construída de raíz, seguindo, no entanto, os “estradões” construídos há vários anos para o combate aos incêndios florestais;
    – na Carriça será construída a “famosa e prometida, rotunda”;
    – entre a rotunda de Paradela e a nova rotunda da Carriça não será construído qualquer acesso à circular.

    RESUMIDAMENTE:
    – trata-se apenas de uma nova estrada que continuará a trazer trânsito intenso e pesado para o centro da cidade da Trofa.
    – Não é uma variante, é uma estrada alternativa;
    – É uma estrada alternativa que tirará qualidade de vida àqueles que vivem ao longo da Av. da Estação da Trofa e que pouco servirá aos trofenses;

    Apesar de tudo e dada a realidade que se vive neste país, será uma mais valia considerável para todos os trofenses e todos quantos diáriamente têm que circular na estrada N14, pelo que é fundamental que passe do papel / das intenções.

    Aguardemos com expetativa, sempre com desconfiança no que é dito por políticos, ainda por cima em período pré-eleitoral!!!

  3. Carlos Santos says:

    Na minha opinião, a partir do momento que fazem o traçado por nascente da Trofa, este só tem sentido até ao Nó 5 (Nó da Trofa). Pois, a partir do momento que vira para Lousado/Ribeirão, e segue por poente da cidade de Famalicão perde-se por completo o desígnio da N14, que é o de ligar as localidades ao longo da N14 Porto-Maia-Trofa-Famalicão-Braga-… sendo que a maior linha de desejo é Porto-Braga (46%), que sairia enormemente prejudicada.
    Ao supra citado acresce o fato de existir já uma Variante Nascente à cidade de Famalicão, que possui um TMD muito baixo, sendo desejável dar utilidade a esse troço e ao mesmo tempo diminuir o investimento em milhões de euros.
    Para cumprir a ligação à Continental Mabor bastaria criar o Nó 6 para Lousado/Ribeirão, criando um arruamento de ligação até à N14.

  4. Pingback: Diz que é uma espécie de variante | …e a Trofa é minha!

Deixa aqui o teu comentário...

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s