O fim da história e a última aldrabice

foto

Chegou ao fim um dos casos mais vergonhosos de natureza político-partidária de que há registo no nosso concelho. Tal como inicialmente previsto por todos os que acompanharam esta história, a verdade veio ao de cima e demonstrou-nos qual o lado que, desde o início, mentiu, arquitectou a mentira e a emboscada e tentou instrumentalizar os trofenses de forma a fazer com que o seu reles estratagema pudesse passar por entre os pingos da chuva. Pena para eles que nos tenham tomado a todos por idiotas e não se tenham dedicado um pouco mais a aprimorar a sua mentira patética e absurda. Como é que as pessoas inteligentes que integram aquela estrutura não tiveram o bom senso de pelo menos tentar tornar aquela história minimamente realista? A facilidade com que o político mente para defender o indefensável é algo que me ultrapassa.

Os próximos dias deste blogue serão dedicados à desconstrução final desta mentira. Para isso, vou puxar a história atrás até Maio de 2013, altura em que, quando confrontado com a mentira pela primeira vez, imediatamente percebi que se tratava efectivamente de uma mentira, ainda por cima fraquinha, que optei por satirizar. Assim, irei republicar alguns textos que escrevi na altura, textos que lidos hoje, à luz dos desenvolvimentos finais desta vergonhosa encenação, nos poderão dar uma ideia sobre até onde algumas pessoas estão dispostas a ir para triunfar na política. Um ano e meio depois de todo este ridículo, existem explicações que ficaram por dar e pessoas que, hoje em funções em cargos públicos, demonstram não ter afinal a verticalidade e a dignidade necessárias para servir a causa pública. Porque uma pessoa que arquitecta uma mentira deste calibre não merece representar os trofenses. Eu não posso falar por todos, mas aposto que a maioria dos meus conterrâneos se sentiria enojada por saber que são representados por alguém que participar na arquitectação uma espera, participa em agressões e a seguir mente descaradamente e de forma verdadeiramente patética para se tentar safar. Felizmente desta vez correu mal. E alguém terá que pagar por aquilo que fez.

Assim, nos próximos dias, serão republicados os ditos textos, originalmente partilhados no Facebook, a que se seguirá um artigo que, da minha parte, fechará este tema de uma vez por todas. Alguns dirão que o assunto está batido e esmiuçado mas eu, que sou um daqueles gajos que gosta de “dizer mal”, não vou deixar que ele morra sem antes colocar alguns pontos nos i’s de forma que a vergonha que presenciamos não caia no esquecimento e sirva de lição para quem tiver a humildade de a aceitar. Serão dias de ironia, sarcasmo, humor mas também dias de reflexão sobre o que esperamos das pessoas que se propõem a governar o nosso concelho no futuro e sobre aquilo que deveria ser a sua conduta. Espero que seja do vosso agrado e, acima de tudo, espero que vos faça pensar de forma crítica sobre um tema que é mais relevante do que à primeira vista poderá parecer. O futuro constrói-se hoje.

Advertisements
This entry was posted in O embuste and tagged , , , , . Bookmark the permalink.

2 Responses to O fim da história e a última aldrabice

  1. Gil Oliveira says:

    Mortinho por ver novos episódios.. Ninguém leva castigo??

Deixa aqui o teu comentário...

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s