Sobre o favorecimento da CMT ao Correio da Trofa

Já aqui falei sobre o contrato por ajuste directo com que o executivo liderado por Sérgio Humberto brindou a empresa Flexisílaba Publicações Lda., empresa proprietária do jornal Correio da Trofa, criado no ano passado no contexto da campanha eleitoral autárquica da coligação Unidos pela Trofa. O contrato, no valor de 19.455,08€ (mais IVA), envolve a criação de uma revista e o lançamento de um concurso de fotografia, sendo que este último está já activo e o seu regulamento poderá ser c0nsultado aqui.

Quer isto dizer que esta consumado o primeiro acto de favorecimento do actual executivo a uma entidade a si intimamente ligada. Um regresso a um passado amplamente criticado pelas pessoas que agora gerem os destinos da Trofa. Alguns membros da claque da coligação argumentaram que, por se tratar de um valor residual, esta situação não constituía um favorecimento em si. A essas pessoas respondi que, em matéria de honestidade e transparência, não existem meios termos e que o problema aqui não é tanto o dinheiro envolvido mas a atitude em si, o acto de beneficiar uma entidade sobre todas as (hipotéticas) outras.

Estamos então perante uma situação habitual nas dinâmicas entre PS e PSD: um deles critica o outro por ter feito A e, chegado ao poder, faz também ele A mas não admite que as mesmas críticas que endereçou no passado à outra parte sejam agora endereçadas a si. Esta situação é particularmente gritante entre os militantes-ovelha, que no passado encheram a boca e as redes sociais de ataques ao executivo Joana Lima e que agora se calam bem caladinhos perante as evidências que os colocam como cúmplices daquilo que haviam criticado de forma tão feroz no passado. Uma triste figura que fala por eles e um exemplo ilustrativo da sua hierarquia de prioridades.

Voltando ao concurso, é interessante verificar que no painel de 3 juízes se encontra um representante do Correio da Trofa. Como se não fosse já por demais evidente, a organização faz questão de deixar claro ao que veio. Por outro lado, é interessante verificar que os 19.455,08€ (mais IVA) que o actual executivo “ofereceu” aos seus amigos da Flexisílaba/CT ultrapassam os 15% dos 100 mil euros que a autarquia pagou pela vinda da Volta a Portugal à Trofa, apesar da direita trofense gritar quase em uníssono que o valor foi pago na totalidade, algo que até à data não conseguiu provar, o que coloca esta acusação no campo do boato e da especulação. Até prova em contrário, claro.

Termino citando Sérgio Humberto, quando em campanha, e por mais que uma vez, referiu:

Queremos, por isso, assegurar que exista igualdade à partida, que todos tenham as mesmas condições para crescer, que todos tenham as mesmas oportunidades para se realizarem.

Este contrato coloca em causa estas declarações. Num concelho com vários profissionais das áreas da fotografia e design, o executivo camarário decidiu ignorar a “igualdade à partida“, a possibilidade de todos terem “as mesmas condições para crescer” e o compromisso eleitoral de que todos teriam “as mesmas oportunidades para se realizarem“. Ao invés disso foram dadas condições preferenciais e oportunidades para se realizarem aos proprietários do Correio da Trofa, que tão importantes foram na sua ascensão ao poder e que tão úteis continuam a ser com os sucessivos ataques do “Toninho” à antiga autarca e ao PS. 

Uma palavra final para o Correio da Trofa que, no editorial da última edição, afirma que a Flexisílaba é uma empresa criada na Trofa e que adquiriu o dito jornal a uma empresa da Maia. O que eles não nos dizem é que a nova empresa foi criada por parte da equipa que esteve na sua origem e que a sua morada social é precisamente a mesma que serviu de sede da campanha da coligação Unidos pela Trofa, o que se percebe se considerarmos que eventualmente evitou a necessidade de fazer mudanças. Será a este “óbvio” que o editorial anónimo do CT se refere?

Advertisements
This entry was posted in A História repete-se and tagged , , , , . Bookmark the permalink.

14 Responses to Sobre o favorecimento da CMT ao Correio da Trofa

  1. Boa noite!

    Aproveito este espaço para lançar um repto e convidar todos os leitores deste blog a participar no concurso de fotografia “Retratos”, que tem como objetivo sensibilizar a população para a necessidade do voluntariado e do apoio aos mais desfavorecidos. Podem consultar o regulamento em http://www.retratos.com.pt.

    Cumprimentos!

    • João Mendes says:

      Boa tarde,

      E eu aproveito para apresentar o Pedro Póvoas aos leitores deste blog: caros leitores, este é Pedro Póvoas, membro integrante no staff do Correio da Trofa desde o primeiro dia, gestor e representante legal da empresa Flexisílaba Publicações Lda. e um dos grandes beneficiários da atribuição de mais de 20 mil euros de dinheiro público dos trofenses sem concurso. É dele uma das assinaturas constantes no contrato de ajuste directo que favoreceu a sua empresa sobre todos os outros hipotéticos candidatos que, tal como o Pedro Póvoas e a sua equipa, não tiveram a oportunidade de tentar sequer ficar com este trabalho, contrariando as palavras do autarca Sérgio Humberto que em campanha eleitoral assumiu o compromisso de assegurar igualdade de oportunidades para todos nós, algo que este contrato pura e simplesmente nega.

      Cumprimentos

    • João Mendes says:

      Sim Pedro, que costuma ser favorecido com dinheiro dos impostos dos portugueses tem tendência para sorrir. não esperava outra coisa! Faça o favor de ser feliz com o dinheiro dos nossos impostos sem concurso, ninguém vos irá cobrar.

      Para quem tanto bateu na Joana Lima (e continua a bater, vocês têm uma obsessão por ela, só pode. ou então é encomendado) editorial sim, editorial sim, é preciso ter um grande moral para continuar a falar dela enquanto são alvo do mesmo tipo de práticas que tanto criticaram nela. Pimenta no cu dos outros é refresco mas quando o poder político nos dá umas coroas sem que tenhamos que lutar por elas não se passa nada!

      Para quem se mudou da Maia há tão pouco tempo, o início na Trofa está a ser auspicioso para vocês, parabéns! Nada como ter amigos bem colocados, não é?

  2. Jorge Moreira says:

    Na realidade este executivo não é mais do que o espelho do executivo de Bernardino Vasconcelos,só mudaram os que estão na frente porque os testas de ferro são os mesmos.

  3. Pingback: Uma geração a lutar por ti. Mas só às vezes… | …e a Trofa é minha!

  4. Pingback: Retratação | …e a Trofa é minha!

  5. Pingback: Retractação | …e a Trofa é minha!

  6. Pingback: Uma fábula com 5 mentiras por Fernando Moreira de Sá | …e a Trofa é minha!

  7. Pingback: Uma vítima coitadinha chamada Correio da Trofa | …e a Trofa é minha!

  8. Pingback: Carta a Pedro Dinis Dias Póvoas Ferreira, co-proprietário da empresa Flexisílaba Publicações, a empresa favorecida pelo executivo camarário num negócio orçamentado 19,455,08€ + IVA sem concurso. | …e a Trofa é minha!

  9. Pingback: Carta a Pedro Póvoas, co-proprietário da empresa Flexisílaba Publicações, a empresa favorecida pelo executivo camarário num negócio orçamentado 19,455,08€ + IVA sem concurso. | …e a Trofa é minha!

Deixa aqui o teu comentário...

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s