Vamos ajudar a Inês?

Inês-Reis

(Foto: O Notícias da Trofa)

É impossível não olhar para a situação da jovem Inês Vilarinho Reis sem que toda a dor que ainda sinto pela partida do Vicinho me suba à superfície e me envolva em tristeza e revolta. Tal como o meu amigo, a Inês trava uma batalha contra um tumor raro e a quimioterapia não consegue resolver o problema. Tal como o meu amigo, “nada a demove de desfrutar a vida“. Felizmente, e ao contrário do saudoso João, existe uma alternativa para a Inês que passa por um tratamento na Alemanha. O problema é que os recursos financeiros da sua família não conseguem fazer face ao problema. É aqui que nós podemos entrar.

Ser uma sociedade, melhor, uma comunidade, passa por nos mobilizarmos por um objectivo comum. Fizemo-lo quando o copo da opressão tirsense transbordou e conseguimos. O bem-estar da cada trofense deve ser uma prioridade da nossa comunidade. Se os pais da Inês não podem pagar o tratamento necessário para salvar a sua filha, que moral temos nós, que tanto exigimos da nossa classe política, para permitir que um de nós esteja inevitavelmente condenado enquanto vivemos as nossas vidas como se nada fosse? É um de nós pessoas, um de nós!

Estou certo de que já muitos, os que podem, fizeram donativos. Mas outras coisas podem ser feitas. Algumas delas bem simples que só precisam de boa vontade e meia dúzia de trocos. Um exemplo? A música é algo que une todas as pessoas (não é à toa que o João era um músico 🙂 ). Soube tarde demais que houve um espectáculo solidário na Maia no passado dia 19. Mas esse facto não implica que não se possam fazer outros até porque este evento coincidiu com o S. Gonçalo o que significa que perdeu muitos potenciais espectadores. Podemos, portanto, replicar a ideia, mas desta vez na Trofa.

A Trofa tem muitos artistas que já arrastam muitas pessoas. Estou certo que por um preço muito simbólico, para dizer o mínimo, fazíamos um grande concerto, que trataria centenas de pessoas da terra (muitas das que não são muito dadas a concertos iriam pela causa), que pagariam, estou certo, os mesmos 5€ para ajudar a Inês e passar um bom bocado. E pelo que sei da maioria dos nossos músicos e grupos de dança em geral, acho que temos matéria-prima para 2 ou 3 dias de concertos. Estou certo que a esmagadora maioria alinha.

A CMT teria aqui um importante papel, através do pelouro da Juventude, até mesmo em associação com a Acção Social tutelada por Lina Ramos, no sentido de providenciar a logística, o local, a licença e a organização. Seria um trabalho duplamente positivo para o vereador Renato Pinto Ribeiro, que estaria a ajudar uma jovem através da criação de um evento orientado para a juventude. Verdadeira Política de Juventude! E pelos melhores motivos! E convenhamos que seria algo relativamente barato.

Fica o repto que vou também enviar por escrito para a nossa autarquia e deixar ao seu cuidado. Uma ideia simples mas que pode colher bons frutos! E perante a situação, tudo o que vier à rede é peixe. Eu não tenho os recursos para a pôr em prática mas estou disposto a ajudar na medida das minhas capacidades. Haverá pedal para ajudar a Inês? Tic Tac! O relógio está a contar…

(N’ O Notícias da Trofa podem ler toda a notícia sobre a história da Inês. Está referenciado um NIB para quem quiser enviar um donativo. Obrigado pela foto Hermano Martins!)

Advertisements
This entry was posted in Solidariedade, Trofa and tagged , , . Bookmark the permalink.

2 Responses to Vamos ajudar a Inês?

  1. Pingback: Rimas e batidas pela Inês | …e a Trofa é minha!

  2. Pingback: O Raúl recebeu a sua prenda. Quantos mais haverão por ai? | …e a Trofa é minha!

Deixa aqui o teu comentário...

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s